Educativo e divertido por Marcelo Tas

Facebook Twitter Snapchat
Facebook Twitter Snapchat

filtrar por:

Resultado da busca

Carregando...

Túnel do Tempo

Uma viagem pelas histórias do passado para compreender o presente.

Túnel do Tempo

Uma viagem pelas histórias do passado para compreender o presente.

Favorito
218 Ohh!
208 Kkk
200 Uau!

Qual o tamanho da crise?

Vamos usar uma técnica antiga e entender a crise juntos?

Vê se isso é manchete de se colocar na capa do jornal bem no primeiro dia do ano! Em 1º de Janeiro de 1930, o jornal Diário Nacional fala da crise do café.  

Image title

O chamado "ouro negro", responsável por grande parte da riqueza do Brasil produzida na época, despencava nas bolsas internacionais por conta da famosa crise de 1929.

A quebradeira generalizada que ficou conhecida como a Grande Depressão começou nos EUA e afetou a economia de vários países. O preço do café despencou e o Brasil começou a imprimir a palavra crise nos seus jornais da época.

Para tentar entender o pânico que se espalhava o Diário Nacional fez um pedido curioso a seus leitores. É uma espécie de interação movida à lenha.

“(…) o Diário Nacional conta com a colaboração dos seus correspondentes (…) que enviem com máxima urgência informações detalhadas sobre o seguinte:
I) Qual a situação atual do proletariado agrícola na sua zona?
II) Qual o número aproximado de operários sem trabalho?
III) Quais medidas tomadas pelos poderes públicos de seu município no sentido de minorar a crise?
IV) Quais as medidas tomadas pelos fazendeiros no mesmo sentido?
V) Quais as medidas tomadas para proteção dos operários agrícolas?
VI) Qual a repercussão da crise no pequeno comércio e na pequena indústria?
(…)

Qual o tamanho da atual crise econômica?

Image title

Depois de quase um século da manchete sobre a crise do café, o Brasil discute mais uma vez o tamanho da crise. Ou até mesmo se estamos ou não tecnicamente mergulhados numa crise. Vamos repetir o esforço do Diário Nacional?

Responda a pesquisa e comente abaixo como anda a vida na sua cidade.


Como você encara o tamanho da crise brasileira atual?

Seu bolso está sentido os efeitos da crise?

15 COMENTÁRIOS

Escreva um comentário
  • Mary Jayne

    01 Out 2015, 10:37

    Trabalho no ramo de beleza a 12 anos, e nunca vi uma queda igual a essa, caiu 60% do meu lucro e vejo muitos colegas de profissão na mesma situação, todos baixando os preços, reduzindo gastos, e com as coisas so aumentando,o jeito é segurar no máximo que pode...

  • Eder De Paula

    01 Out 2015, 01:33

    Sou arquiteto, trabalhava em uma construtora desde abril de 2011. Em julho recebi a notícia de que cumpriria aviso prévio, eles até tinham outros terrenos, mas não tinham planos de lançar mais nada por enquanto, pois já estava difícil vender as unidades do empreendimento que estava em construção.
    Apesar disso, eu e minha família já vimos notando há alguns anos o aumento nas mercadorias, em 2011 eu gastava aproximadamente $170 em compras no mercado, hoje não consigo comprar o mesmo por menos de $470, e isso foi aumentando ano a ano. Mas ao meu ver, o grande problema é nossa crise política e moral, isso também está afetando muito, nosso país perdeu muita credibilidade para com o mercado.

  • Gilvan Mendonça

    30 Set 2015, 20:14

    Crise é uma oportunidade para reduzir salários, demitir, criar novos impostos, elevar taxas de serviços, aumentar preços de combustíveis, gás, água, energia elétrica, passagens de ônibus, metrôs e vejam só! Até o Dolar! Quem não sabia ainda que elevando o valor das "verdinhas" reduziria a gastança de "brasileiros cheios da grana" no exterior e tornaria o desempenho da indústria melhor nas exportações? A crise... Ah! Ela está aí faz tempo. Se é que me entendem...

  • Lucinha Portilho Alves

    30 Set 2015, 14:47

    Atuo como Analista de Recurso Humanos, na terceirização de serviços. Na empresa em que trabalho tivemos que fechar uma filial e nas outras 2 unidades que restam, muitos foram demitidos pela baixa demanda.
    Não sei por quanto tempo ela continuará a me manter ou manter os que ainda restam empregados.
    Logo a Diretoria terá q espremer tanto que ficará só a Matriz da empresa.
    Fora que o valor gasto no mês para compras no mês seguinte, fazendo a mesma lista, já não tem o mesmo valor.
    Mudar a rotina, contar as moedas (literalmente), pois o o dinheiro não tem mais o mesmo valor.
    Desesperador...

  • André Luís Pina

    30 Set 2015, 14:20

    Realmente a crise afeta a todos de um modo geral, claro para aqueles que tem reservas a situação ainda não é caótica, acredito no Brasil, mas me decepciono a cada dia com os políticos que estão no poder. Podemos e devemos ajudar o país sair desta situação é o momento de ajudar o próximo de alguma maneira, uma cesta básica, pagar uma conta de água ou de luz de quem esta desempregado, indicar para um emprego, só unindo forças é que podemos combater essa bagunça, mesmo assim o mais importante é no momento do voto somente neste instante é que você pode realizar a mudança que todos queremos, depois temos que cobrar e manter sob vigilância aqueles em que depositamos toda nossa confiança. Olhar para frente e não ver saída é que nos deixa desesperados, é nessa hora que devemos manter a esperança, criar coragem e seguir em frente. Boa sorte a todos.

  • Michelle Alves

    30 Set 2015, 14:00

    A empresa em que trabalho está passando por problemas sérios de endividamento por conta da crise e tem dificuldade de pagar os funcionários. Estou procurando outro emprego e não tem sido fácil. Apesar de ter me formado em Administração no final de 2014 tenho me candidatado a vagas de ensino médio, com a esperança de conseguir alguma coisa.
    No DF passamos por crise também estadual que vem afetando também os servidores públicos, ou seja, esperamos a hora em que a cidade vai parar.

  • Márcia Previatello

    30 Set 2015, 13:59

    Tenho uma filha e um genro engenheiros civis e outra filha arquiteta. Todos perderam o emprego. As obras em que eles trabalhavam estão quase paradas, pois o dinheiro do financiamento não é repassado às construtoras e as vendas também estão bem devagar. Meu marido trabalha com aço inox e como todos estão em compasso de espera para construir e reformar, também está praticamente sem serviço. Eu? Comecei a vender bolos!

  • Glenda Malta

    30 Set 2015, 12:54

    Sou engenheira civil, e amargo 11 meses de desemprego, apesar de ter trabalhado 6 meses entre o fim de 2014 e inicio de 2015... o segundo desemprego sem seguro, gastei todas as economias e estou aqui, sem expectativa de conseguir alguma coisa ainda este ano... nem concurso público, que muitos apelam neste periodo, tem.

  • Renato Mariano

    30 Set 2015, 12:21

    Percebo as pessoas perdendo o pouco que conseguiram adquirir com anos de trabalho e o cenário não é nada otimista, pelo menos até 2017 sentiremos isso na pele. O duro é saber que tudo isso é proveniente de uma disputa de poder entre políticos e seus partidos pelo poder, lógico, as custas do povo brasileiro - e é esse mesmo povo o responsável por colocar estes 'representantes do povo' lá no poder! Eu tenho, 49 anos, em 2013 me formei em administração - mas, atualmente faço parte dos desempregados do Brasil.
    Como um pai solteiro de uma filha de 12 anos me sinto totalmente revoltado com essa 'classe' de oportunistas políticos do Brasil

  • WIlliam Mello Junior Pelucio

    30 Set 2015, 12:11

    sou pensionista do inss e com a greve ( que foi justamente quando o brasil precisava economizar dinheiro) tive que marcar minha pericia medica no meio da greve, consequencia, tive que reagendar duas vezes uma pra 23 de setembro e agora reagendaram pra 10 de dezembro, consequencia disso: nao vou receber pagamento ate a data da pericia, e se for negada eu nao recebo nada, as contas estao atrasadas, a luz esta para cortar e minha esposa nao consegue emprego pq ela tem 35 anos e e considerada velha para o mercado de trabalho. Tenho 3 filhos e como fica? Nao sei, e tem gente que diz que o brasil nao esta em crise?

  • WIlliam Mello Junior Pelucio

    30 Set 2015, 12:11

    sou pensionista do inss e com a greve ( que foi justamente quando o brasil precisava economizar dinheiro) tive que marcar minha pericia medica no meio da greve, consequencia, tive que reagendar duas vezes uma pra 23 de setembro e agora reagendaram pra 10 de dezembro, consequencia disso: nao vou receber pagamento ate a data da pericia, e se for negada eu nao recebo nada, as contas estao atrasadas, a luz esta para cortar e minha esposa nao consegue emprego pq ela tem 35 anos e e considerada velha para o mercado de trabalho. Tenho 3 filhos e como fica? Nao sei, e tem gente que diz que o brasil nao esta em crise?

MOSTRAR TODOS
  • Lili Silva

    30 Set 2015, 11:54

    brasileiros temos que cortar despesas, mas a deles não pode. campanha todos os politicos com salario minimo, pegar trem e onibus. nada de jatinho

  • Dito Didio

    30 Set 2015, 11:36

    atualmente desempregado façço parte dos trabalhadores da construção civil que tem um peso sobre varias avaliações de estatisticas,onde moro no interior de MT,sempre foi um lugar prospero pra' essa atividade,mas desde o começo do ano as atividades foram desacelerando ate' que hoje estão uns 80% paradas.

  • Leandro Alarcão

    30 Set 2015, 11:13

    Não está fácil, aos 28 anos de idade estou desempregado a 4 meses e cada vez mais os anúncios de emprego para pessoas com boa capacitação profissional diminuem.
    O seguro desemprego mesmo no teto máximo não paga supermercado e gasolina, quem dirá impostos estratosféricos!

    • Ludmila Tavares

      30 Set 2015, 11:26

      Eu nunca vi tantos amigos (e bons profissionais) fora do mercado de trabalho.

Leia também